Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
IRAS

Professor apresenta por meio de modelo matemático a evolução da infecção dentro do corpo humano

Criado: Terça, 07 de Julho de 2020, 10h33 | Última atualização em Terça, 07 de Julho de 2020, 10h56

Assiste esta live completa: www.youtube.com/watch?v=lnVAHhi7q3k&t=118s 

imagem sem descrição.

Na última sexta-feira,03, o professor Fernando Campello da Universidade Federal de Pernambuco (PhD em Engenharia Elétrica na Cornell University, nos EUA ) realizou a live "Dinâmica de infecções com surgimento de bactérias resistentes a antibióticos". Por meio de um sistema de equação diferencial, o professor demonstrou um modelo que relaciona as bactérias sensíveis, as resistentes, as células do sistema imunológico e a dosagem de antibióticos. Este encontro faz parte do projeto Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde- IRAS, que está sendo conduzido pelo Instituto Federal de Goiás (IFG) e financiado pelo Ministério da Saúde.

O professor realizou uma simulação entre os componentes, utilizando uma tabela de parâmetros das bactérias da tuberculose. Além de apresentar o modelo matemático da infecção no corpo humano, Fernando também explicou matematicamente a disseminação de bactérias dentro do hospital. Sobre a abordagem escolhida de estudo, ele destaca:"É importante trabalhar com modelos dinâmicos, leia-se equação diferenciada".

Vamos ver esta live na íntegra? Acessa o canal do Youtube do projeto IRAS: www.youtube.com/channel/UCS5jc_8Jdom_SSNu25djWfg?view_as=subscriber 

 

Sobre o projeto
Denominação da pesquisa: “Estudo multicêntrico de avaliação epidemiológica das infecções bacterianas relacionadas à assistência à saúde, em usuários da saúde diagnosticados ou não com COVID-19, pelo monitoramento digital no âmbito das comissões de controle de infecções hospitalares”. O projeto também é conhecido como IRAS. O objetivo é a disponibilização de ferramenta de cruzamento de dados junto à Comissão de Controle de Infecção Hospitalar- CCIH (setor presente dentro dos hospitais). Com este software a ser fornecido e devidamente personalizado, espera-se a redução nos casos de infecção hospitalar entre outros benefícios. Inicialmente, o IFG atuará junto a 20 unidades, dez hospitais em São Paulo e dez em Goiás.

 


Coordenação de Comunicação Social/Câmpus Valparaíso

Fim do conteúdo da página