Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Coordenação de Relações Internacionais
Início do conteúdo da página

Coordenação de Relações Internacionais

Criado: Terça, 10 de Maio de 2016, 10h01 | Última atualização em Quarta, 16 de Outubro de 2019, 17h14

 INTERCÂMBIO

Intercâmbio é tema de roda de conversa no IFG Aparecida de Goiânia 

Criado: Sexta, 27 de Setembro de 2019, 10h00

Professores relataram a estudantes do Ensino Médio Técnico suas experiências como intercambistas e uma voluntária da AFS apresentaram informações sobre atuação da organização 

A voluntária do AFS, Ana Carolina Fernandes da Luz, e os professores do IFG Kelio Júnior e Liberato Santos falaram de diferentes experiências e intercâmbio em roda de conversa sobre o assunto

A voluntária do AFS, Ana Carolina Fernandes da Luz, e os professores do IFG Kelio Júnior e Liberato Santos falaram de diferentes experiências e intercâmbio em roda de conversa sobre o assunto

Estudantes dos cursos técnicos integrados ao Ensino Médio do IFG – Câmpus Aparecida de Goiânia participaram nesta quarta-feira, 25 de setembro, de uma roda de conversa sobre intercâmbio. O assunto, que já havia despertado ou aumentado o interesse de muitos deles desde que o câmpus recebeu três intercambistas no ano passado, foi abordado pela voluntária do programa de Intercâmbio American Field Service (AFS), Ana Carolina Fernandes da Luz, e pelos professores Kelio Junior Santana Borges e Liberato Silva dos Santos, respectivamente, de Língua Portuguesa no Câmpus Aparecida de Goiânia e de Língua Inglesa no Câmpus Goiânia.

O AFS é uma organização não governamental e sem fins lucrativos, que começou a atuar no Brasil na década de 50. A atividade sobre intercâmbio no IFG Aparecida foi organizada pela representante do programa Idioma sem Fronteiras (ISF/MEC) no câmpus e representante local da Coordenação de Relações Internacionais do IFG, professora Rejane Maria Gonçalves Maia, que ministra a disciplina de Língua Inglesa. Ela avalia que a roda de conversa se configurou como uma importante ação de internacionalização, por ter favorecido a discussão sobre intercâmbio entre os estudantes. “É oportunidade de ampliar o horizonte e a formação educacional/profissional ao se considerar oportunidades para além das fronteiras do país”, afirmou.

 

Os professores Liberato Santos e Kelio Junior falaram de suas próprias experiências de estudo no exterior. Liberato morou nos Estados Unidos, onde cursou um ano de High School (equivalente ao Ensino Médio no Brasil), no final da década de 80, como intercambista do AFS.  Kelio, por sua vez, fez recentemente um Doutorado-Sanduíche  financiado pela CAPES, tendo ficado por um ano na Itália, país onde também já havia feito dois cursos de idioma. Eles relatam que a riqueza da experiência está muito além do aprendizado de uma língua e cultura diferentes.

 

Ampliação de horizontes

“Por meio desse contato com essa outra cultura, pude olhar meu objeto de estudo com nova perspectiva, encontrando novas possibilidades de abordagem”, afirma o professor Kelio. Para ele, a experiência de estudar em outro país possibilita a ampliação de horizontes intelectuais e sentimentais, o que traz inclusive a superação do conceito do que seja “estrangeiro” ou “outro”. “A certa altura ocorre una troca que desconsidera esses rótulos”, diz.

O professor Liberato Santos é um grande incentivador das ações de Relações Internacionais no IFG e comenta que conversas sobre intercâmbio e sobre internacionalização estão ficando mais frequentes na Instituição. Ele vê muitos e diferentes benefícios nessas ações: “Eu diria que o intercâmbio nos enriquece culturalmente, intelectualmente e espiritualmente de maneiras que nós nem imaginamos. Eu também diria que esse enriquecimento acontece tanto quando viajamos para algum lugar quanto quando recebemos alguém de fora em nossas casas e em nossa instituição”.

A experiência de receber estudantes estrangeiros é vivenciada pela voluntária do AFS Ana Carolina Fernandes da Luz há alguns anos. Ela conta que conheceu o programa quando já era estudante de nível  superior, um dos motivos pelos quais não chegou a fazer o intercâmbio na adolescência, mas já recebeu em sua casa estudantes da Itália, África do Sul e Hungria, estando atualmente hospedando dois intercambistas, da Alemanha e da Tailândia. “Essa convivência e o trabalho que eu realizo no AFS é uma experiência que não tem preço”, relata Ana Carolina.

A representante do programa de intercâmbio destaca que a parceria da organização com o Instituto Federal de Goiás tem sido muito positiva. Ela comenta que a escola é um ótimo ambiente para os estudantes estrangeiros, pela estrutura, a educação em tempo integral e os cursos técnicos. Aos estudantes que desejam informações sobre cursar parte do equivalente ao Ensino Médio no exterior ou hospedar estrangeiros em sua residência, ela recomenda visitar o site www.afs.org.br ou o perfil @afsgoianiaoficial no Instagram. Para quem tem mais de 18 anos, as oportunidades são de trabalho voluntário ou cursos direcionados a atividades específicas, como idiomas, culinária, esportes e outros.

Aos estudantes que já estão na graduação, o professor Kelio dá algumas dicas, como pesquisar bolsas nacionais, apesar das poucas oportunidades existentes, e bolsas estrangeiras para brasileiros, por meio de editais e processos seletivos específicos. Ele avalia que a experiência possibilita a formação de um profissional mais completo, “um indivíduo em que se reconhecem aspetos e concepções plurais de interpretação do objeto e da área com que trabalha”, diz. O professor chama a atenção para o fato de que isso só é possível com dedicação do estudante. Aos interessados, ele recomenda o estudo de diferentes idiomas. 

Coordenação de Comunicação Social e Eventos / Câmpus Aparecida de Goiânia.

 

INTERCÂMBIO

Conif publica resultado da seleção para intercâmbio no Japão

Criado: Quinta, 19 de Setembro de 2019, 14h35

A aluna Clara Marcelino Ribeiro de Sousa, estudante do IFG, foi uma das selecionadas.imagem sem descrição.

O resultado da seleção previsto no Edital Conif/AI nº 1/2019 foi publicado nesta quinta-feira, 19/9, pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

Além da aluna Clara Marcelino Ribeiro de Sousa, do Instituto Federal de Goiás, foram selecionados para o Sakura Science High School Program (SAKURA SHSP, na sigla em inglês) os estudantes: Antônio Victor Machado de Oliveira, do Instituto Federal do Espírito Santo; Gabriela Tomaz do Amaral Ribeiro, do Instituto Federal Sul-rio-grandense; Julia Vieira Saliba Rebouças, do Instituto Federal de Brasília; Liandra Giovanna Carvalho Góes, do Instituto Federal de Roraima; Lucas Morais Barreto, do Instituto Federal da Bahia; Nicole Citadin, do Instituto Federal de Santa Catarina; Normando Dutra dos Santos Filho, do Instituto Federal do Acre; Robson Luan do Nascimento de Sousa, do Instituto Federal do Maranhão e Victor Gustavo Pires Ferreira, do Instituto Federal do Triângulo Mineiro.

Os jovens participarão, em novembro, de um intercâmbio de curta duração no Japão que inclui: imersão na área de ciência e tecnologia avançada, participação em aulas especiais com ganhadores do Prêmio Nobel e demais atividades ao lado de discentes japoneses e de outros países. As atividades in loco serão acompanhadas por dois servidores da Rede Federal.

Em parceria com a Agência de Ciência e Tecnologia do Japão (JST, na sigla em inglês) e a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação (MEC), o programa custeará todas as despesas dos representantes brasileiros – passagens aéreas, hospedagem, alimentação, transporte terrestre no Japão, seguro-viagem e visto japonês. Somente os valores referentes à emissão do passaporte e a viagem para entrevista no consulado japonês para obtenção do visto não serão cobertos.

A lista com o nome dos estudantes selecionados foi enviada ao MEC. O órgão agora fará a intermediação junto à Agência de Ciência e Tecnologia do Japão, responsável pelo programa, para dar prosseguimento ao processo.

 

Confira o cronograma das próximas etapas:

Prazo para envio do passaporte ou comprovante de solicitação do passaporte – até 23 de setembro de 2019

Data provável da viagem ao Japão – 23 de novembro de 2019

Data de início do Sakura SHSP – 24 de novembro de 2019

Data de encerramento do Sakura SHSP – 29 de novembro de 2019

Data provável de retorno ao Brasil – 30 de novembro de 2019

 

Mais informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Acesse o Edital Conif/AI nº 1/2019 – SAKURA SHSP 

 

Diretoria de Comunicação/Reitoria com informações da Assessoria de Imprensa do Conif.

 

 COMITIVA

Professores do IFG participam de Seminário Internacional

Criado: Terça, 03 de Setembro de 2019, 17h21

Evento foi organizado pela Associação Brasileira de Professores de Língua Inglesa da Rede Federal de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (ABRALITEC)

 Participantes do IFG que estiveram no eventoParticipantes do IFG que estiveram no evento

Um grupo composto por nove professores do Instituto Federal de Goiás (IFG) participou do II Seminário Internacional da Associação Brasileira de Professores de Língua Inglesa da Rede Federal de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (ABRALITEC), realizado entre os dias 28 e 30 de agosto em Recife (PE). A comitiva do IFG participou ativamente do evento em atividades como lançamento de livro, ministração de workshop, apresentação de trabalhos, participação em mesa-redonda e outras ações. A Instituição contou com representantes dos câmpus Anápolis (1), Aparecida de Goiânia (1), Goiânia (1) Goiânia Oeste (3), Senador Canedo (1), Uruaçu (1) e uma participante da reitoria. Veja lista dos nomes ao final do texto.

“O evento foi, sem margem de dúvida, uma oportunidade única de aprendizagem. Por ser um evento internacional tivemos a possibilidade de não somente conhecer o trabalho que nossos colegas estão realizando em seus câmpus do IFG, mas também de dialogar com docentes de outros institutos federais, como IFAL, IFBA, IFRJ, IFRN, IFFAR, IFMG, e também com docentes pesquisadores de outros países”, pontua a representante do Câmpus Anápolis, professora Aline Gomes da Silva. Durante o evento, a docente do IFG foi eleita para compor o Conselho da ABRALITEC representando a região Centro-Oeste. Dessa forma, o Instituto conta com duas representantes na diretoria da Associação uma vez que a professora Juliana Paula Squinca, do Câmpus Uruaçu, foi reeleita para o cargo de 1ª secretária.

Outro destaque da participação do IFG no seminário foi o lançamento de dois livros que levam a assinatura da professora Maria Eugênia Sebba Ferreira de Andrade, do Câmpus Senador Canedo. O livro “Formação Continuada Crítica de Professoras de Inglês: problematização de discursos e constituição ética do sujeito” é resultado dos estudos compilados em sua tese de doutorado. Já a obra intitulada “(Trans)formação de professoras/es de línguas: demandas e tendências da pós-modernidade” foi organizada pela professora Maria Eugênia em parceria com Roberta Carvalho Cruvinel (que pertence ao quadro de docentes do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Goiás) e Maria José Lacerda Rodrigues Hoelzle (da Secretaria Municipal de Educação de Goiânia).

O evento foi realizado na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e contou com a participação de pesquisadores de renome nacional e internacional nas áreas de linguística aplicada e de literaturas anglófonas e da rede técnica de ensino. Foram realizadas palestras, mesas-redondas, oficinas e sessão de pôsteres. Destaca-se a realização de uma mesa-redonda composta por representantes das cinco regiões do país que teve o objetivo de mapear o ensino de língua inglesa na rede, identificar problemas e demandas dos profissionais da área. Saiba mais sobre o evento AQUI.

 Representaram o IFG os seguintes docentes: 

Câmpus Anápolis: Aline Gomes da Silva

Câmpus Aparecida de Goiânia: Rejane Maria Gonçalves Maia

Câmpus Goiânia:  Liberato Silva dos Santos

Câmpus Goiânia Oeste: Pauliana Duarte Oliveira, Luciana, Paula Graciano

Câmpus Senador Canedo: Maria Eugênia Sebba Ferreira de Andrade

Câmpus Uruaçu: Juliana Paula Squinca

Reitoria: Suelene Vaz da Silva (Coordenadora de Relações Internacionais do IFG)

 

Coordenação de Comunicação Social/Câmpus Anápolis

  

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Internacionalização chega aos câmpus com representantes locais

Servidores serão intermediadores nas questões que envolvem intercâmbio, ações e projetos internacionais

  • Criado: Quarta, 31 de Julho de 2019, 13h14

Reunião entre representantes das Relações Internacionais nos câmpus

 Reunião entre representantes das Relações Internacionais nos câmpus

 

Os 14 câmpus do Instituto Federal de Goiás (IFG) passam a contar a partir de agora com um servidor representante local da coordenação de Relações Internacionais (CRI) da Instituição. O objetivo é estabelecer um diálogo entre a comunidade de cada unidade com a Reitoria, desempenhar ações conjuntas que promovam a internacionalização no Instituto, ampliando parcerias, programas, cooperações em âmbito institucional e nos câmpus. Eles serão um canal de comunicação entre o câmpus e a CRI e também atuarão como multiplicadores de informações e desenvolvimento de ações, que envolvem questões internacionais.

O grupo realiza durante todo o dia de hoje, 31, uma primeira reunião para discutir o plano de ação proposto pela CRI, como funcionará o trabalho local, desafios, trançando um panorama de como estão as atuais ações de internacionalização em âmbito do IFG. Durante a manhã, na reitoria, foram apresentados os membros e informações sobre os desafios e os canais de comunicação que a relações internacionais utiliza hoje para divulgação de informações, projetos e oportunidades de intercâmbio, por exemplo.

Entre os desafios apontados pela coordenadora da área, a professora Suelene Vaz, estão: o desconhecimento da comunidade acadêmica do papel, da importância e até da conceituação do que é a internacionalização e de como ocorre, por exemplo, um processo de estudos de servidores em outro país, o que é necessário, as condições financeiras, qual papel do IFG e qual o papel da instituição estrangeira de destino, a falta de orçamento institucional específico para ações de relações internacionais, dentre outros. Esses representantes, segundo ela, vão suprir justamente essa demanda de apresentar o trabalho que a relações internacionais desenvolve, as formas que servidores ou estudantes podem participar ou mesmo propor parcerias e ações, estabelecendo uma interlocução do câmpus com a reitoria.

O trabalho dos representantes também engloba a revisão de documentos institucionais, como o atual regimento geral, que está em discussão e que estabelece as funções de cada setor, a Resolução do IFG nº 4, de 23 de fevereiro de 2014, e a portaria IFG nº 1.541, de 8 de julho de 2016. O desenvolvimento ainda da Política Linguística e de Internacionalização também esteve na pauta como atribuição do grupo. Estabelecer e aprimorar os fluxos dos processos de internacionalização, promover estágios, capacitação e outras propostas foram discutidas.

Rede

Suelene acredita que o trabalho na área de internacionalização deve ser feito em rede, não apenas entre os câmpus do IFG, mas entre as instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica e as instituições públicas de ensino, como as universidades. “Precisamos trabalhar em conjunto, somos um todo diferente, mas somos um todo. Precisamos ampliar a percepção da internacionalização no IFG, já fizemos isso em reunião do Colégio de Dirigentes, mas vocês agora têm esse papel também nos câmpus”, afirma.

Professor do Câmpus Goiânia, Liberato Silva dos Santos destaca a importância de formar e inserir os professores de uma forma geral no contexto da internacionalização, baseando em relatos que já ouviu de alunos da Instituição intercambistas. “Os intercambistas vão pra fora e voltam sem ter pessoas com quem conversar sobre a experiência, dentro do seu câmpus”, conta. Para o professor do Câmpus Anápolis Luciano Nunes da Silva não há outro caminho a não ser a internacionalização. Ele defende a criação e disseminação de uma cultura de internacionalização para que se tenha avanços.

Entre as ações de internacionalização que o IFG desempenha estão os intercâmbios entre servidores e estudantes da Instituição e estrangeiros, acordos de cooperação com vários países, ações na área de línguas. Além disso, projetos que ensinam, por exemplo, a língua portuguesa a estrangeiros, tradução de documentos, dentre outros. A área é vasta, mas precisa, segundo a coordenadora, de apoio local em cada câmpus na execução de ações. A CRI atuará como setor de apoio, de promoção e inventivo ao desenvolvimento de projetos locais, que podem envolver servidores e alunos. Normalmente, são atividades que estão ligadas ao ensino, à pesquisa ou à extensão, que precisa de um aporte e coordenação de um servidor e/ou envolvimento de estudantes para que possam se efetivar.

 

Plano de trabalho

Entre as ações do plano de trabalho apresentado pela CRI aos representantes estão a atualização da página eletrônica da coordenação no portal institucional, onde estão disponíveis informações sobre os acordos de cooperação, as oportunidades de intercâmbio e realização de cursos. Será criado nessa página um espaço para que cada câmpus possa dispor de informações sobre os projetos e atividades de internacionalização locais, via esses representantes das Relações Internacionais, dentre outros.

Está prevista também uma reunião com os coordenadores dos núcleos de pesquisa nas unidades para mapear se há pesquisas em andamento que têm como tema a internacionalização no e do IFG, buscando informações como o nome da pesquisa, dados do pesquisador, instituições parceiras, ações, editais de fomento nessa área e publicações conjuntas entre o IFG e as instituições estrangeiras.

Outras ações previstas no plano de trabalho: investigar se há projetos de internacionalização nos câmpus, se há servidores realizando mestrados e doutorados no exterior, os servidores fluentes em outras línguas, saída de servidores para apresentação de trabalhos científicos e outras ações no exterior, fluência em línguas estrangeiras de alunos, formação de banco de dados de estudantes estrangeiros, desenvolvimento de cursos de capacitação em internacionalização, elaboração de projetos para editais de fomento etc.

 

Mais informações sobre a coordenação de Relações Internacionais e as ações desenvolvidas, estão disponíveis na página eletrônica: https://www.ifg.edu.br/cri.

Veja os representantes de cada câmpus (Portaria nº 1.354/2019)

Diretoria de Comunicação Social/Reitoria.

 

 

Fim do conteúdo da página