gestão

Reitores reúnem-se com bancada parlamentar para tratar de temas ligados ao orçamento de 2019

  • Imprimir
Criado: Segunda, 20 de Maio de 2019, 14h41 | Última atualização em Quarta, 29 de Maio de 2019, 17h28

Dados mostram a realidade orçamentária do IFG e o que efetivamente seria necessário para se manter ao longo de 2019

xxxxxxxx
   Jerônimo (esquerda), Rubens, Sandramara, Edward, Elias, Vicente

Em reunião realizada na manhã de hoje, 20, reitores dos Institutos Federais de Goiás (IFG), do Goiano (IF Goiano) e da Universidade Federal de Goiás (UFG) apresentaram à bancada parlamentar do Estado a realidade de cada instituição diante do bloqueio orçamentário de cerca de 30% realizado nas últimas semanas. O objetivo do encontro foi apresentar dados, programas e dar um panorama de como estão as instituições dentro do que foi planejado na Lei Orçamentária Anual (LOA) e o que efetivamente poderá ser realizado com o atual orçamento a ser repassado pelo Governo Federal aos IFs e à UFG. O encontro foi realizado no Centro de Aulas da UFG, em Goiânia.

A preocupação apresentada pelo reitor do IFG, professor Jerônimo Rodrigues da Silva, é que da forma como está, com a redução feita pelo Governo, “não será possível sobreviver até o final do ano”, diz. Pelos dados apresentados, está previsto para 2019, para o Instituto, o recebimento de R$ 52 milhões para custeio e apenas R$ 2 milhões para investimento (ao longo do ano), sendo que destes últimos “só foram liberados 10% e a há perspectivas de que apenas mais 10% desse valor ainda seja disponibilizado”, afirma. Esse valor para investimento, segundo o reitor, é responsável pelas obras que estão em andamento, compra de equipamentos e outros.

Um dado que mostra a dimensão em termos de redução orçamentária do IFG ao longo dos últimos cinco anos aponta que em 2014 o orçamento para investimento era de R$ 34 milhões. Para 2019, a previsão da LOA seria de cerca de R$ 5. 153 milhões, sendo que desses, a previsão em janeiro era de repasse de apenas R$ 2 milhões ao longo do ano. Mas no final do mês de abril, houve bloqueio de cerca de R$ 600 mil. “Desde 2016 o governo mudou a forma de repasse do dinheiro previsto na LOA, ao longo do ano. O orçamento fica no Ministério da Educação e vai sendo liberado às instituições por meio de Termo de Execução Descentralizada (TED)”, pontua. Hoje, o IFG está com ao menos dois câmpus em obras, inclusive com essas unidades funcionando em local provisório até que as sedes fiquem prontas, que são Senador Canedo e o Câmpus Goiânia Oeste.

O reitor mostrou que o orçamento para custeio (despesas discricionárias) foi reduzido de R$ 52 milhões, em 2019, para R$ 36.945 milhões, com o contingenciamento. Com os bloqueios, afirma o reitor, “nós não teremos condições de arcar com os contratos já firmados. As demais atividades já não teriam condições de sobreviver até o final desse ano, como ensino, pesquisa e extensão”, analisa.

 

Rede Federal

Jerônimo é também o atual presidente do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) e apresentou alguns números da Rede, retirados da Plataforma Nilo Peçanha. “Em 2018, as necessidades da Rede somavam R$3,9 bilhões, sendo que apenas R$ 2,89 bilhões foram homologados no ano passado”, afirma. A defasagem, segundo o reitor, ocorre desde 2015. “O detalhe importante é que o número de matrículas e unidades não deixou de aumentar, em todo país”, conta.

Coordenada pela deputada federal Flávia Morais (PDT), a banca demonstrou apoio às instituições reconhecendo a importância delas para a formação dos jovens. “Sou defensora de uma instituição pública e de qualidade para nosso país. Quando a gente assume esse novo mandato, a gente assume na perspectiva de fazer mais. E nos frustra muito essas perdas, que foram muitas em pouco tempo”, comenta.

O egresso da Escola Técnica Federal de Goiás (ETFG) e deputado federal Elias Vaz (PSB) relembra seus tempos da escola enfatizando o que esta instituição representou para ele em termos de formação cidadã, de oportunidade de acesso à cultura. “Eu sei a importância disso, eu senti isso na pele. Falo em defesa de pessoas, pensando que essa é a única opção que algumas pessoas podem ter na vida, que é estudar em uma universidade ou nos institutos federais”, defende.

Outro deputado favorável à luta das instituições na busca pela reversão da medida de contingenciamento do orçamento é Rubens Otoni (PT). Ele afirma que a presença na reunião é para firmar o compromisso da bancada goiana com as instituições públicas federais de ensino no Estado. O deputado defende que além da luta que já ocorre, “precisamos dar a volta por cima e virar o jogo, retomar o que foi exposto aqui pelos institutos federais e pela universidade federal. Precisamos retomar essa história e o papel que essas instituições têm e não apenas sobrevivermos”, finaliza.

Outros dois deputados estiveram presentes, Adriano Avelar (PP) e José Nelton (Podemos). Na reunião de hoje participaram ainda, o reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, do IF Goiano, Vicente Pereira de Almeida, gestores do IFG e das três instituições envolvidas, representantes de sindicados dos servidores públicos federais e de associação de professores.

 

Frente Parlamentar

Na última sexta-feira, dia 17 de maio, o reitor Jerônimo Rodrigues da Silva reuniu-se com representantes da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas da Assembleia Legislativa de Goiás. Além dos reitores, participaram da reunião realizada na Reitoria do Instituto Federal de Goiás (IFG), o deputado estadual Antônio Gomide (PT), Rogério Firmino (representando o deputado estadual Rafael Gouveia - DC) e gestores da Reitoria. “Pensamos em uma Frente que não seja só de um partido, mas de todos os partidos. Somos 10 deputados estaduais de oito partidos e queremos apoiar essas instituições”, ressalta Antônio Gomide.

 

Campanha

A Diretoria de Comunicação Social do Instituto Federal de Goiás (IFG) desenvolveu a campanha #SouIFG – Fazemos a diferença na educação brasileira, com o objetivo de fortalecer a imagem da Instituição e contribuir para a divulgação, para as comunidades interna e externa, dos resultados institucionais e os vinculados às ações de ensino, pesquisa e extensão.

Os servidores e estudantes que desejarem apoiar a ação de comunicação institucional, bem como a comunidade em geral, poderão salvar as imagens, compartilhando-as em seus perfis pessoais nas mídias sociais (Facebook, Instagram, Twitter e WhatsApp), fazendo o uso da #SouIFG. Também poderão realizar o compartilhamento a partir dos perfis e da página do IFG nas mídias sociais, onde poderão curtir e comentar as publicações.

Clique para acessar mais imagens da campanha #SouIFG

 

Diretoria de Comunicação Social/Reitoria.