Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
ENSINO

Palestra sobre Educação e Direitos Humanos e apresentação da gestão do câmpus marcaram aula inaugural do curso de Pedagogia

Criado: Quinta, 15 de Agosto de 2019, 14h07 | Última atualização em Terça, 03 de Setembro de 2019, 14h33

“A Educação é um direito humano e é necessária para a promoção dos outros direitos”, ressaltou a palestrante Fernanda Alves

imagem sem descrição.

Aconteceu ontem, dia 14, no auditório do IFG Câmpus Goiânia Oeste a aula inaugural do curso superior de Licenciatura em Pedagogia. No primeiro momento da aula, a coordenadora do curso, professora Raclene Ataíde de Faria, deu boas-vindas aos calouros e também aos discentes do curso, que retornaram após o período de recesso acadêmico, e aproveitou a oportunidade para apresentar a gestão administrativa e acadêmica do câmpus. Em seguida, a pedagoga e mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Fernanda Alves de Oliveira, dialogou com os alunos e professores presentes sobre a temática Educação e Direitos Humanos.

Apresentação Gestão

Na fala de boas-vindas aos discentes do curso superior de Licenciatura em Pedagogia, além de apresentar a gestão do câmpus, a coordenadora do curso,  professora Raclene Ataíde de Faria, aproveitou o momento para reforçar os regulamentos do IFG que regem os alunos e os cursos superiores da instituição: “O objetivo dessa aula inaugural foi fazer uma acolhida para quem está chegando, para quem já é do câmpus e para quem está aí no seu último período. Nossa intenção também foi de mostrar aos alunos quem está à frente da gestão, quem é responsável pelo o que caso precisem de algo eles saberem a quem procurar porque esse conhecimento também faz parte da formação da autonomia desse sujeito no sentido de saber, de ter acesso à informação, de saber as responsabilidades e ter acesso a determinadas fontes”, disse Raclene Ataíde.

Após a fala da coordenadora do curso, a chefe de Departamento de Áreas Acadêmicas (DAA), professora Ádria Assunção Santos de Paula, explicou aos discentes o papel e as funções do setor e colocou-se a disposição para atendê-los: “Vocês são o objetivo de estarmos aqui, estamos aqui por vocês”. Na sequência, o coordenador acadêmico, professor Alessandro da Costa, ressaltou ao discentes a importância de ficarem atentos ao calendário acadêmico e aos editais e períodos estabelecidos nele.

O diretor-geral do IFG Câmpus Goiânia Oeste, professor Cleberson Pereira Arruda, também se colocou à disposição dos alunos: “A porta da direção está aberta para recebê-los. Desejo que tenhamos um frutífero trabalho no câmpus ao longo desse semestre”. O gerente administrativo, Adriam Marcos da Silva, também apresentou o setor e as atividades realizadas pela gerência. Adriam solicitou ao alunos: “Peço que nos ajudem a cuidar do que é nosso, o patrimônio do câmpus, porque assim economizaremos nesse período de contingenciamento”. Para finalizar o período de apresentação e fala da gestão do IFG Câmpus Goiânia Oeste, a gerente de Pesquisa Pós-Graduação e Extensão (GEPEX), professora Charlise Fortunato Pedroso, também expôs as atividades do setor e comentou sobre o estágio e os eventos que acontecerão no segundo semestre.

 Educação e Direitos Humanos

Fernanda Alves de Oliveira, pedagoga e mestre em Direitos Humanos pela UFG, iniciou a palestra sobre Educação e Direitos Humanos questionando qual era o entendimento dos alunos sobre direitos humanos. “A mídia personifica e marginaliza os direitos humanos. O termo é usado de forma pejorativa e equivocada”, afirmou a palestrante. Após refletir sobre o conceito de Direitos Humanos compreendido pelo senso comum, Fernanda explicitou a origem e os avanços dos direitos humanos no mundo: “Os Direitos Humanos nascem da dor. A Declaração Universal dos Direitos Humanos foi elaborada para dar um basta nas atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial”.

Fernanda ainda apresentou aos alunos as legislações que regem os Direitos Humanos e ressaltou aos discentes a importância de conhecer as leis e a constituição federativa para participar da luta para efetivação dessas legislações. A palestrante finalizou relacionando os direitos humanos e a educação: “Os direitos são universais, indivisíveis e indissociáveis, o direito à educação relaciona-se diretamente com direitos basilares como o direito à saúde e à moradia. A educação é um direito humano e ela é necessária para a promoção dos direitos humanos”.

A palestra mobilizou os alunos que participaram com muitas perguntas e comentários. A aluna do primeiro período do curso superior de Licenciatura em Pedagogia, Ana Caroline Silva de Moraes Nascimento, considerou a palestra enriquecedora e muito importante: “Amei a aula, foi muito boa, todos precisam aprender sobre o que foi falado aqui hoje porque a gente tem mais essa visão errada mesmo de direitos humanos. O problema é que o brasileiro não tem a cultura, o hábito de aprender, em todos os sentidos, não só na leitura, e nessa própria questão dos direitos humanos, a gente não sabe, a gente não busca o conhecimento, tem coisa que é básica e que a gente não conhece e não vai atrás. Através da escola, da educação, a gente aprende mais sobre esses direitos, não dá pra conhecer tudo, mas aquele pouco que a gente conhece a gente pode distribuir, às vezes uma pessoa gera mudança em dez. O que eu aprender eu posso passar para o meu filho e o meu filho futuramente passar para o meu neto e assim sucessivamente, porque conhecimento é para todos, mas nem todos têm essa oportunidade, como os meus pais não tiveram e meu esposo ainda não tem também porque só trabalha. Também achei muito interessante como ela colocou, de pensar no próximo, de como a gente não se reconhece no morador de rua, no alcoólatra, no bandido. Eu acredito que isso que é a humanização, é a gente sentir a dor do outro, se colocar no lugar do outro, porque hoje em dia, as pessoas não pensam no outro, só nelas mesmo”.

“Acho extremamente importante termos atividades que congregam o coletivo do curso, embora as atividades didáticas sejam importantes e produtivas, elas ficam mais centradas no coletivo da turma apenas. Momentos como esse congregam um coletivo maior e trazem temáticas pertinentes à formação do pedagogo, mas que não estão vinculadas de modo restrito a somente uma disciplina, temáticas importantes para a formação do pedagogo, pertinentes a proposta pedagógica do curso, mas abordadas de modo mais transversal, de modo mais amplo e como um diálogo entre todos os discentes do curso. O tema da palestra de hoje mesmo foi escolhido pelos professores no colegiado do curso”, explicou a coordenadora do curso, professora Raclene Ataíde de Faria.

Para a palestrante, Fernanda Alves de Oliveira pedagoga na pró-reitoria de ensino do IFG e integrante do Núcleo de Estudo e Pesquisa da Infância e sua Educação em Diferentes Contextos (NEPIEC/ UFG), ações como o debate promovido pelo curso e pelo câmpus são relevantes e necessárias para a formação e para o contexto da educação no país: “Eu vejo esse debate como necessário e emergencial visto que eles estão chegando com toda energia de pensar essa educação e porque não pensar como a educação como um elemento de transformação social, envolvendo a criticidade, pensando nos direitos humanos, no caminho de luta que esses estudantes possuem na busca pelos seus direitos”.

 

Veja mais fotos da Aula Inaugural no nosso álbum no facebook.

 

Coordenação de Comunicação Social/IFG Câmpus Goiânia Oeste

 

Fim do conteúdo da página