Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Extensão

Debate sobre cultura e batalhas artísticas marcam o encerramento do IV Encontro de Culturas Negras

Vídeos com as atividades realizadas ao longo do evento podem ser conferidos no canal IFG Comunidade no YouTube

  • Criado: Segunda, 03 de Maio de 2021, 14h01
  • Última atualização em Sexta, 07 de Maio de 2021, 17h32
“Cultura negra e desafios emancipatórios do Brasil do século XXI” é tema de mesa-redonda que marcou o encerramento do Encontro de Culturas Negras
“Cultura negra e desafios emancipatórios do Brasil do século XXI” é tema de mesa-redonda que marcou o encerramento do Encontro de Culturas Negras

Com slam de poesia, batalha de MCs, discussão sobre cultura e identidade e atrações artísticas, foram encerrados nesta sexta-feira, 30 de abril, o IV Encontro de Culturas Negras e o VII Seminário de Educação para as Relações Étnico-Raciais. O Encontro e o Seminário, que se iniciaram no dia 28 de abril, foram transmitidos pelo YouTube, no canal IFG Comunidade, e podem ainda ser conferidos por todos aqueles que tiverem interesse.

A primeira atração do dia 30 de abril foi um slam de poesias com o coletivo Goiânia Clandestina. Slam, também conhecido como Poetry Slams, são batalhas de poesia falada. O Slam Clandestino é uma iniciativa do Selo Goiânia Clandestina, que reúne jovens poetas negros e poetas em situação social vulnerável. Segundo os organizadores do Encontro de Culturas Negras do IFG, “a importância do Slam dentro da arte poética é de fortalecer a escrita e a manifestação artística por meio da arte, não restringindo apenas aos livros e fanzines, sendo, então, uma  possibilidade a mais para quem escreve e um outro veículo de comunicação, compartilhamento de ideias e aculturação”. A batalha de poesia performada durante o Encontro pode ser conferida aqui: https://youtu.be/hpEmf1KlYjU

Outra “batalha” apresentada neste último do Encontro de Culturas Negras foi a de MCs (mestres de cerimônias), com o coletivo Norocity. Movimentando o Encontro com abordagens de temáticas sociais, sempre sob a perspectiva da cultura hip hop, o coletivo Norocity promoveu uma batalha trazendo a cultura hip hop com foco no rap que pode ser vista aqui: https://youtu.be/6beZqo7s9EQ

 

ABPN e mesa-redonda

A noite de encerramento do Encontro de Culturas Negras contou com uma mesa-redonda que trouxe a discussão sobre o tema “Cultura negra e desafios emancipatórios do Brasil do século XXI”, com os professores Cleber Vieira (Unifesp/ABPN) e Paulo César Ramos, pesquisador do Afro Núcleo de Formação e Pesquisa em Raça, Gênero e Justiça Racial do CEBRAP: https://youtu.be/GWc1iUZPfx4.  O debate foi mediado pelo professor Neville Santos, do IFG.

Antes dessa discussão, foi apresentado um vídeo institucional explicativo sobre a Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as). O responsável por falar sobre a instituição, que já tem 20 anos, foi o professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Cleber Vieira.

A ABPN é uma associação civil, sem fins lucrativos, filantrópica, assistencial, cultural, científica e independente, que tem por finalidade o ensino, pesquisa e extensão acadêmico-científica sobre temas de interesse das populações negras do Brasil. Como destacou o professor Cleber, atualmente a ABPN é um dos órgãos fundamentais da rede de instituições que atuam no combate ao racismo, ao preconceito e à discriminação racial. “Fazer ciência com a preocupação social antirracista é o que marca a instituição”, pontuou o docente, que fez o convite para que as pessoas conheçam mais a associação. A atuação da ABPN acontece em três grandes áreas: divulgação acadêmica; articulação social; e formação de lideranças. Conheça a associação: https://www.abpn.org.br/

Depois da apresentação, Cleber Santos Vieira e o professor Paulo César Ramos, que é pesquisador do Afro Núcleo de Formação e Pesquisa em Raça, Gênero e Justiça Racial do CEBRAP, falaram sobre o tema “Cultura negra e desafios emancipatórios do Brasil do século XXI”. Os docentes, em suas falas, deixaram claro que a luta pela institucionalidade da agenda antirracista é uma pauta muito importante para a emancipação. Para conferir a mesa-redonda, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=GWc1iUZPfx4 

 

Outras atrações

Assim que terminou a mesa-redonda, ocorreram as duas últimas apresentações do Encontro. A primeira foi com o  Projeto Sankôfa: https://youtu.be/kvD6Xwd0iI8 , que se iniciou em 2015 com o objetivo de atuar no tripé ensino, pesquisa e extensão na área de música através dos elementos musicais da cultura brasileira de matriz africana. Depois, foi a vez do show de Mateus Aleluia, que integrou o grupo musical Os Tincoãs. A bela apresentação de voz e violão de Mateus pode ser conferida aqui: https://www.youtube.com/watch?v=TFPu2SM71XM .

 

 

Diretoria de Comunicação Social/ Reitoria.

Fim do conteúdo da página