Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Câmpus Goiânia é selecionado no projeto Escola Resíduo Zero e desenvolve uma horta
Início do conteúdo da página
Sustentabilidade

Câmpus Goiânia é selecionado no projeto Escola Resíduo Zero e desenvolve uma horta

Criado: Sexta, 28 de Julho de 2017, 12h33 | Última atualização em Quarta, 02 de Agosto de 2017, 10h44

A criação da Horta no Câmpus Goiânia atenderá o Laboratório Gastronômico e também servirá para doação de hortaliças à comunidade

Na foto, professora Gleice Alves e a presidente da EComAmor, Jordana Mendonça, (no centro da imagem) e mais voluntários do projeto Horta no IFG.

Neste sábado, 29, o Instituto Federal de Goiás (IFG) – Câmpus Goiânia implementa uma das ações do Projeto Escola Resíduo Zero, com a criação de uma horta na Instituição e implantação de composteiras. A unidade é uma das dez instituições de ensino em Goiânia selecionadas dentre 50 escolas inscritas no projeto, que tem a finalidade de capacitar educadores e estudantes em compostagem de orgânicos e confecção de composteiras de baixo custo.

O Câmpus Goiânia foi selecionado no projeto Escola Resíduo Zero e inicia a ação com o desenvolvimento de uma horta na unidade e implantação de composteiras

 

A atividade Horta no IFG será desenvolvida neste sábado, 29, das 7h30 às 13 horas, com a participação de voluntários do Instituto EComAmor, uma organização não-governamental de Goiânia, que instala hortas em escolas e transforma espaços de acordo com as vontades da comunidade. Estudantes do Câmpus Goiânia também vão contribuir com a ação.

Escola Resíduo Zero
O projeto Escola Resíduo Zero é uma complementação do Projeto Residência Resíduo Zero Goiânia, uma iniciativa da Sociedade Resíduo Zero, que tem por objetivo estimular práticas sustentáveis em residências na capital. A participação do IFG – Câmpus Goiânia no projeto ocorreu mediante o interesse das professoras e coordenadoras da ação, Gleice Alves de Sousa e Jacqueline Maria Barbosa Vitorette.

A coordenadora do projeto, Gleice Alves, explica que já participa do programa Residência Resíduo Zero Goiânia, com uma vermicomposteira em sua casa, que utiliza minhocas para fazer a compostagem do resíduo orgânico doméstico. Visando expandir essa iniciativa também em seu local de trabalho, a docente inscreveu o Câmpus Goiânia no projeto Escola Resíduo Zero, sendo selecionado no mês de junho. Os integrantes participaram de uma capacitação para aprenderem a fazer as composteiras a partir de baldes e atuarem como multiplicadores.

A criação de uma horta no IFG consiste na última etapa do Projeto Escola Resíduo Zero, fase que foi adiantada, conferindo ao IFG - Câmpus Goiânia o lugar de primeira instituição de ensino a iniciar as atividades de desenvolvimento do Escola Resíduo Zero. Isso porque, diferente de outras instituições de ensino, a unidade não está de férias neste mês de julho.

Dentre o projeto, estão previstas ainda ações de implantação de composteiras de vermicompostagem e a reativação da composteira rotativa já existente na unidade. Além da multiplicação do projeto entre os demais câmpus do IFG posteriormente.

Professora do IFG - Câmpus Goiânia, Gleice Alves, e voluntários do Instituto EComAmor começaram os trabalhos de criação da horta nesta sexta-feira, 28.

 

Benefícios
Segundo a professora Gleice, a ideia é a de que a horta no IFG – Câmpus Goiânia possa atender ao Laboratório Gastronômico, que é utilizado pelos cursos técnico em Cozinha (EJA) e bacharelado em Turismo. O objetivo com a horta é diminuir os gastos na aquisição de insumos para as aulas, como por exemplo hortaliças, e aplicar práticas de resíduo zero na unidade.

A intenção é utilizar as mudas que serão plantadas na horta para subsidiar as aulas gastronômicas. “Todas as aulas já estão no calendário do laboratório, então, os técnicos-administrativos ou estagiários virão na nossa horta colher as hortaliças necessárias para as aulas. Queremos ainda realizar doações do excedente que será produzido na horta também para comunidade”, destaca Gleice.

Outra proposta que faz parte do projeto Escola Resíduo Zero no IFG é a de que haja uma redução nos resíduos gerados no Câmpus Goiânia, reutilizando o lixo orgânico em composteiras, atividade encabeçada pela professora e co-orientadora do projeto, Jacqueline Vitorette.

Os resíduos orgânicos que não puderem ir para a vermicompostagem serão destinados à composteira rotativa de alimentos. “Nós vamos ter as nossas composteiras no câmpus, que terão banners explicativos sobre o que poderá ter na vermicompostagem e aquilo deve ir para a composteira de rotação. A gente quer evitar que o máximo de resíduo seja descartado no aterro sanitário”, vislumbra Gleice.

A expectativa com o projeto Escola Resíduo Zero no IFG – Câmpus Goiânia é torná-lo uma ação contínua e a longo prazo. Além das professoras Gleice e Jacqueline, participam também as docentes Dulcinéia Santana e Oyana dos Santos e mais estudantes do Câmpus Goiânia.

Voluntários

Para a ação da horta do IFG – Câmpus Goiânia neste sábado, foi feita a seleção de 25 voluntários por meio do Instituto EComAmor, organização não-governamental parceira no projeto Escola Resíduo Zero. A presidente da EComAmor, Jordana Mendonça, explica que a organização atua instalando hortas em instituições de ensino em Goiânia, com a ideia de reunir pessoas em torno da promoção de uma alimentação saudável e da cultura orgânica.

A organização foi criada há um ano e tem cerca de 100 voluntários e mais de 10 hortas instaladas. Dentro do projeto Escola Resíduo Zero, a ONG tem a missão de colaborar no desenvolvimento de hortas nas escolas selecionadas para o projeto até novembro deste ano.

 

Coordenação de Comunicação Social do Câmpus Goiânia.

 

 

Fim do conteúdo da página