Portal do Governo Brasileiro
  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Página Inicial -> Regulamento

Regulamentação da CPA

E-mail Imprimir PDF

Constituição da CPA

A Lei nº. 10.861, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), determina em seu artigo 11 que sejam criadas Comissões Próprias de Avaliação (CPA) em todas as instituições de ensino superior.

A CPA deve ser constituída por ato legal do dirigente máximo da Instituição, de forma a assegurar participação de toda a comunidade acadêmica (discentes, técnico-administrativos e docentes), garantindo também, a participação da sociedade civil organizada, dentro do princípio da paridade, evitando-se que haja maioria absoluta de um dos segmentos representados.

A CPA é autônoma e sua forma de composição, duração do mandato de seus membros, atribuições e dinâmica de funcionamento estão definidas em regulamento próprio.

Objetivo-Geral da CPA

Discutir, programar e implantar  a política de autoavaliação institucional, de forma a se constituir em instrumento de apoio que propicie ao IFG  avaliar e trabalhar os indicadores de potencialidades realçando-os e efetivando-os e identificando também, as dificuldades enfrentadas pela instituição e os caminhos possíveis para minimizá-las ou, preferencialmente, superá-las.

 

Objetivos Específicos

  • Discutir, construir e implantar Projeto de Avaliação Institucional envolvendo todos os segmentos da comunidade acadêmica e da sociedade civil organizada;
  • Deliberar sobre as questões dos instrumentos avaliativos e a metodologia de avaliação a ser empregada;
  • Acompanhar e supervisionar o desenvolvimento das atividades avaliativas desenvolvidas pelas Comissões Setoriais de Avaliação em cada campus que integra o IFG;
  • Sistematizar os processos de avaliação interna;
  • Prestar informações sobre a avaliação institucional ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais – INEP e a comunidade acadêmica;
  • Propor projetos, programas e ações que proporcionem a melhoria do processo avaliativo institucional;
  • Encaminhar aos órgãos de gestão do IFG as deliberações da CPA, os relatórios de avaliação e outras informações solicitadas;
  • Analisar e sistematizar os dados apresentados pelas Comissões Setoriais de Avaliação, dos diversos Campus que integram o IFG;
  • Divulgar os resultados da auto-avaliação mediante documentos informativos impressos e/ou eletrônicos, acessíveis às comunidades interna e externa;
  • Acompanhar e assessorar as comissões externas de avaliação;
  • Sugerir propostas de desenvolvimento institucional;
  • Participar de todas as atividades relativas a eventos que tratam da avaliação institucional, promovidos pelo IFG, INEP, CONAES sempre que solicitada.
  • Consolidar a sintonia do IFG com a política nacional de avaliação da educação superior, criando caminhos para que esse processo desenvolvido pelo IFG, torne-se referência às demais IES.

Constituição das Subcomissões Locais de Avaliação

Devido à característica multicâmpus do IFG, a CPA contará com o apoio de Subcomissões Locais de Avaliação (SLAs) nos campi da Instituição (exceto nos recém-implantados).

As SLAs serão constituídas por três membros Titulares e três membros Suplentes, sendo um representante Titular e um Suplente de cada segmento interno (docentes, técnico-administrativos e discentes), indicados por seus pares, conforme o disposto no Regulamento da CPA.

Objetivo-Geral das SLAs

A Subcomissão Local de Avaliação tem o objetivo primordial  responsabilizar-se pela mobilização da comunidade acadêmica do câmpus, pela implantação do projeto de autoavaliação, organização e controle da aplicação da sistemática de avaliação deliberada pela CPA.

Objetivos Específicos

  • Analisar, conhecer e socializar o conhecimento do Projeto de Avaliação Institucional definido pela CPA;
  • Mobilizar a participação na comunidade interna e externa do processo de avaliação institucional;
  • Programar e coordenar o processo de autoavaliação da instituição, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior – CONAES, do SINAES e deliberações da CPA;
  • Organizar, controlar a aplicação dos instrumentos de avaliação no campus, assim como a análise e sistematização dos dados coletados;
  • Organizar relatório parcial de autoavaliação institucional;
  • Promover eventos avaliativos;
  • Proceder a devolutiva institucional dos resultados da avaliação aos sujeitos envolvidos no processo;
  • Sugerir propostas de desenvolvimento institucional;
  • Manter arquivo das atividades realizadas.

Etapas da autoavaliação

A implantação de um processo de autoavaliação que seja permanente e culturalmente aceita, instalada e vivenciada cotidianamente pelos integrantes de uma instituição é um importante passo no processo de tomada da responsabilidade da comunidade acadêmica em relação ao desenvolvimento da Instituição. Portanto, há que se realizar de forma democrática, de participação voluntária, incentivada por um processo de sensibilização que busque o envolvimento da comunidade acadêmica em todas as etapas da autoavaliação e suas ações avaliativas.

Etapa 1 – Planejamento

A autoavaliação institucional deve ser executada de acordo com um projeto de avaliação, com a definição da metodologia, dos recursos e do cronograma das ações avaliativas.

Etapa 2 – Sensibilização

A sensibilização da comunidade acadêmica pode ser desenvolvida por meio da realização de seminários internos, tendo como produto acadêmico a publicação de artigos a serem socializados ao público interno e externo. Essa etapa constitui-se de crucial importância para a constituição de uma cultura de participação ativa e expressiva de toda a comunidade acadêmica nas várias etapas do processo de autoavaliação.

Etapa 3 – Desenvolvimento

Esta etapa consiste na concretização das ações avaliativas planejadas. Pela legislação vigente, apenas os campi que oferecem cursos de graduação precisam realizar avaliações institucionais. No IFG, o processo de autoavaliação será desenvolvido em toda a Instituição nos campi (a exceção dos recém-implantados), visando possibilitar que a avaliação seja um instrumento de gestão a ser efetivamente utilizado para o planejamento estratégico da Instituição.

Etapa 4 – Consolidação

A etapa de consolidação consiste na elaboração do Relatório de Autoavaliação Institucional, na sua ampla divulgação e na avaliação crítica de todo o processo.

 

COMUNICADOS

CPA inicia pesquisa de autoavaliação institucional

 

A Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) disponibiliza a partir de segunda-feira, 19 de setembro de 2016, os Questionários de Autoavaliação Institucional referentes a 2016. Leia mais...


AGENDA