Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
PESQUISA

Projeto de iniciação científica descobre condição ótima de estabilidade da nanopartícula de prata

Criado: Segunda, 07 de Outubro de 2019, 13h33 | Última atualização em Segunda, 07 de Outubro de 2019, 13h43

A nanopartícula tem propriedades bactericidas e fungicidas e é aplicada em diferentes ramos industriais

Professores da Química do Câmpus Senador Canedo, Deangelis Damasceno e Monise Casanova


A condição ótima das nanopartículas de prata, isto é, o padrão de máxima estabilidade química e um tamanho mínimo. Esta foi a descoberta feita pelos pesquisadores e professores Monise Casanova e Deangelis Damasceno, ambos da área de Química do Câmpus Senador Canedo do Instituto federal de Goiás (IFG), e pelas estudantes, à época, hoje, egressas, Gabriela Ferreira e Amanda Novais. O resultado provém do projeto de iniciação científica “Síntese e caracterização de nanopartículas de prata e otimização de variáveis por quimiometria”.

A nanopartícula de prata possui propriedades bactericidas e fungicidas e tem sido utilizada por empresas do ramo têxtil e hospitalar, na fabricação de camisas, shorts e meias e de eletrodos e em catálises. “São várias as aplicações. O potencial é muito grande. Foi descoberto, recentemente, que as nanopartículas de prata também auxiliam na prevenção de cáries dentárias”, acrescentou a professora Monise.

O objetivo da pesquisa era avaliar as concentrações dos reagentes usados através de um planejamento fatorial para avaliar sua influência na estabilidade de nanopartículas. Monise explicou que, na Química, nem sempre é fácil chegar a um valor exato, o que há, às vezes, é uma leve ideia sobre o comportamento. Era esse o caso das nanopartículas de prata. Segundo ela, com a descoberta da condição ótima não se perderá mais tempo de laboratório testando diferentes concentrações. “Se aplicado, você terá menos tempo, menos reagentes, menos desperdício, o custo será menor. Então são essas as vantagens se você pensar em larga escala”, comentou a professora.

Publicação e iniciação científica

Uma parte do trabalho foi apresentado no Encontro Nacional de Química, de 2018, em Caldas Novas, Goiás, e o trabalho completo no “The Pittsburg Conference And Expo” (Pittcon), em março de 2019, em Pitsburgo, Pensilvânia, nos Estados Unidos da América. E o artigo foi publicado no Jornal de Química Analítica, em uma edição especial voltada aos trabalhos do Encontro Nacional de Química, revista que, conforme a professora Monise, é importante meio nacional de divulgação dos avanços da química analítica no Brasil.

Acesse aqui o artigo.

Para a egressa Amanda Novais, uma das estudantes que participaram do projeto de iniciação científica, o reconhecimento que o trabalho alcançou fez valer toda a dificuldade. “No final, os resultados foram bastante positivos para nós e para a comunidade científica”, disse. Ela contou que a contato com a iniciação científica tão cedo foi “maravilho”, porque a permitiu “ver a importância da ciência e me fez querer fazer outras pesquisas científicas na área de conhecimento que escolhi, a medicina veterinária”.

 

Coordenação de Comunicação Social/Câmpus Senador Canedo.

Fim do conteúdo da página