Portal do Governo Brasileiro
  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Página Inicial

Concurso Cultural

Imprimir PDF

Período de votações online para os nomes do teatro e biblioteca do câmpus abre na próxima segunda, 13

A Comissão Organizadora do Concurso Cultural “Dê nome à biblioteca e ao teatro do Câmpus”  divulgou hoje os nomes selecionados para a etapa final do concurso para a escolha do nome da biblioteca e do teatro do Câmpus Formosa do Instituto Federal de Goiás (IFG). Os nomes selecionados para a final da categoria Biblioteca são de Izabel Cristina Ortiz, Carolina de Jesus e Bernardo Élis. Para a categoria Teatro, concorrerão Guaiá, Pindorama e Diadorim.

A eleição dos nomes estará aberta a partir de segunda-feira, 13, seguindo até 31 de março, pela Plataforma Helios, sistema de votação online do IFG. O Câmpus Formosa disponibiliza tutorial no canal do IFG/Câmpus Formosa, ensinando passo-a-passo o funcionamento da votação online (acesse aqui).

 

Biblioteca

Bernardo Élis

Bernardo Élis

O aluno do 1º ano do  curso Técnico Integrado em Biotecnologia, José Otávio dos Santos Silva, sugeriu o nome do primeiro autor goiano a entrar para a Academia Brasileira de Letras (ABL), Bernardo Élis. Bernardo foi contista, romancista e também advogado e professor. Natural de Corumbá de Goiás, nasceu em 1915 e faleceu em 1997. Destacou-se pela obra “O tronco”, utilizando a linguagem regional. Sua obra apresentava a vida rural do interior dos cerrados. Bernardo Élis recebeu diversos prêmios, dentre eles o prêmio José Lins do Rego (1965) e Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro (1966), pelo livro de contos "Veranico de Janeiro" (1966), e o Prêmio Afonso Arinos, da ABL, pela obra "Caminhos e Descaminhos" (1965).

 

Carolina de Jesus

Carolina de Jesus

A escritora Carolina de Jesus foi lembrada pelo aluno do 3º ano de Ciências Sociais, Danillo Monteiro. Carolina é considerada uma das primeiras escritoras negras do Brasil. A escritora nasceu em Sacramento (MG), em 1914, e faleceu em 1977. Mudou-se para a favela do Canindé, em São Paulo, em 1947, onde trabalhou como catadora de lixo. Mesmo com apenas as séries iniciais do primário, Carolina relatava, em seus cadernos, o cotidiano da favela. Em 1960, seus relatos se transformaram em livro – “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, com alcance internacional. Além de relatos, também escrevia contos, poesias e romances.

 

professora IsabelIzabel Cristina Ortiz

O servidor técnico-administrativo do Câmpus Formosa, Alessandro Rodrigues Vidal, sugeriu o nome da professora Izabel Ortiz para a bilblioteca do Câmpus. Cidadã formosense, Izabel Cristina de Souza Ortiz dedicou sua vida à Educação. Lecionou por 30 anos em escolas públicas da cidade, a exemplo do Colégio Estadual Hugo Lôbo. A “professora Izabel” ficou marcada pela altivez e pela candura com que tratava a todos, de personalidades políticas a alunos. Em sua trajetória, foi vereadora em Formosa na década de 1980 e envolveu-se ativamente na luta em prol dos trabalhadores da Educação e de uma educação pública de qualidade. Foi uma das fundadoras do Centro de Professores de Goiás (CPG), entidade antecessora do sindicato estadual. Faleceu em 2016, em Formosa, aos 87 anos.

 

Teatro

Guaiá

O termo “Guaiá” foi sugerido pela professora Janaína Fernandes para homenagear o Estado de Goiás, cujo nome surgiu a partir de uma derivação do termo “Gwa’ya”, da língua dos indígenas brasileiros, tupi-guarani. Significa “todos iguais; coletividade”. Suas grafias podem ser “Gwa’ya”, no tupi-guarani, ou Guaiá, versão aportuguesada.

 

Pindorama

A servidora Denisy de Carvalho G. Pinheiro sugeriu o nome "Pindorama", em homenagem às terras pertencentes aos povos indígenas brasileiros. Etimologiamente, pindorama significa, em tupi-guarani, “terra das palmeiras”. Foi a designação dada pelos nativos ao Brasil, no período da entrada dos navegantes portugueses em 1500.

 

Diadorim

Sugestão do professor Divino Gabriel Lima Pinheiro, Diadorim é personagem do romance “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Diadorim foi levada, juntamente com a obra, a inúmeras peças teatrais, filme, história em quadrinhos, música e minissérie de televisão.


Para votar a partir do dia 13 de março, acesse aqui o link de votação online.

 

Setor de Comunicação Social / Câmpus Formosa