Portal do Governo Brasileiro
  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Página Inicial

Formação

Imprimir

Professor participa do Seminário Nacional de Educação Profissional Técnica

Nos dias 5 e 6 deste mês, o professor Joaquim Pedro Ribeiro Vasconcelos, coordenador do curso técnico de Vigilância em Saúde, esteve presente no Seminário Nacional de Educação Profissional Técnica: Formação em Vigilância em Saúde, no Rio de Janeiro. O evento reuniu representantes de cerca de 40 Escolas Técnicas do SUS, que oferecem cursos para Agentes Comunitários de Saúde ou Agentes de combate a Endemias, que já atuam na área. O professor foi o único representante dos Institutos Federais presente.

O evento é resultado do compromisso firmado entre a Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGTES) do Ministério da Saúde (MS) e a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV) da fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por meio do Programa de Formação de profissionais de Nível Médio para a Saúde (PROFAPS). Coordenado pelo Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde da EPSJV/Fiocruz, o evento tem como um dos objetivos discutir e refletir a formação técnica em Vigilância em Saúde ofertada pelas Escolas Técnicas do SUS (ETSUS) e outras instituições públicas de ensino.

O professor explica que as ETSUS formam os profissionais que já atuam na área, enquanto o curso de Vigilância em Saúde do Câmpus Águas Lindas está formando profissionais que só vão se inserir no mundo do trabalho após a finalização do curso. Joaquim Pedro, que participou da roda de conversa sobre Organização e Funcionamento da Escola, também destaca a importância do evento em relação à profissionalização do Técnico em Vigilância em Saúde, que inclusive já possui uma associação de profissionais no Rio de Janeiro.

Entre os desafios abordados no evento está a fragmentação das vigilâncias: “as vigilâncias sanitária, epidemiológica, saúde do trabalhador e vigilância ambiental precisam trabalhar de forma conjunta, tanto no serviço quanto nas grades de formação dos cursos, o desafio é fazer elas dialogarem entre si”, explica Joaquim Pedro.

No contexto de Águas Lindas, segundo o professor, há a proposta de montar um grupo de trabalho para discutir sobre o curso e sobre a inserção do profissional de Vigilância em Saúde na rede local: “precisamos dialogar mais com o serviço local de Águas Lindas, com a Secretaria Municipal de Saúde, por exemplo, para fortalecer o curso e também o sistema de saúde”, esclarece.


Coordenação de Comunicação Social / Câmpus Águas Lindas