Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Acessibilidade da comunidade surda às informações sobre novo coronavírus motiva vídeos em Libras
Início do conteúdo da página
AÇÕES INSTITUCIONAIS

Acessibilidade da comunidade surda às informações sobre novo coronavírus motiva vídeos em Libras

Criado: Segunda, 13 de Abril de 2020, 18h08 | Última atualização em Segunda, 13 de Abril de 2020, 18h09

Os vídeos do IFG objetivam levar orientações e recomendações de saúde na Língua Brasileira de Sinais

Professora Waléria Vaz, do Câmpus Aparecida de Goiânia, gravou seis vídeos a partir de textos e áudios da Diretoria de Comunicação Social
Professora Waléria Vaz, do Câmpus Aparecida de Goiânia, gravou seis vídeos a partir de textos e áudios da Diretoria de Comunicação Social

A preocupação com a acessibilidade da comunidade surda às informações das autoridades de saúde sobre orientações e recomendações relativas ao novo coronavírus e à infecção provocada por ele, a Covid-19, motivou a elaboração de seis vídeos na Língua Brasileira de Sinais (Libras). Os vídeos são uma iniciativa do Instituto Federal de Goiás (IFG), por meio da Diretoria de Comunicação Social e do Câmpus Aparecida de Goiânia, que oferta o curso de Licenciatura em Pedagogia Bilíngue (Libras – Português).

Os vídeos são curtos, com mensagens objetivas e em linguagem popular, de fácil compreensão. Possuem, em média, um minuto de duração, todos são legendados e, também, possuem áudios narrando o que a professora Waléria Vaz, do Câmpus Aparecida de Goiânia, interpreta e traduz para Libras. Tanto a legenda quanto o áudio contribuem para que os ouvintes possam compreender o conteúdo também.

Os vídeos começaram a ser veiculados na semana passada, nas mídias sociais do IFG (Instagram, Facebook e Twitter) e no canal do YouTube. “Como já havíamos elaborado os textos e gravado os áudios para veiculação no carro de som do Câmpus Itumbiara, a partir da ideia da direção-geral daquela unidade, pensamos em usá-los também para elaboração dos vídeos. Realizamos contato com a direção-geral do Câmpus Aparecida, para a parceria, e com o aceite, fizemos o contato com a professora Waléria Vaz”, ressalta a diretora de Comunicação Social da Reitoria, Adriana Souza Campos.

“O professor Jerônimo havia dialogado anteriormente comigo, sobre a necessidade de ações para a comunidade surda e, prontamente, coloquei o nosso câmpus à disposição para o que fosse necessário. Quanto mais pessoas a gente conseguir informar e incluir nessas nossas ações institucionais, melhor ainda. O momento requer isso”, destaca a diretora-geral do Câmpus Aparecida de Goiânia, Ana Lucia Nunes.

A professor Waléria Vaz, ao receber o pedido de apoio para a gravação dos vídeos, respondeu enfaticamente: “Claro!!!”. Ela informou que também está gravando outros para o Câmpus Aparecida de Goiânia, com conteúdos semelhantes, ampliando as informações para esse público. Sempre que forem publicados nas mídias sociais, os vídeos irão também para o canal do IFG no YouTube. Vale ressaltar que o IFG vem avançando nas ações de inclusão e acessibilidade em todos os câmpus, não só para a comunidade surda, mas para todas as pessoas com deficiência.

Diretoria de Comunicação Social/Reitoria.

Fim do conteúdo da página